Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Plantação de 2016 na Herdade de Moncorvo em Sta. Vitória (BEJ




PODA DE FORMAÇÂO

Primeiro desbaste no início do mês de Abril, após a rebentação, deixando apenas 5/6 varas na parte superior da árvore. No final do mês de Abril, princípios de Maio, escolhi 3 varas e raramente 4, eliminando as restantes, deixando sempre 1 virada para o lado dos ventos predominantes.




sexta-feira, 30 de dezembro de 2016


Poda de rejuvenescimento da mesma árvore em 2015 e completada em 2016 no Monte da Raposinha.




Abertura das covas para continuação da plantação do pomar de nogueiras na Herdade de Moncorvo (Sta. Vitória).


sábado, 19 de novembro de 2016

Plantação de um pomar de 140 hectares em Santa Vitória - Beja

Fui convidado por uns empresários Siberianos para plantar 140 hectares de nogueiras em Santa Vitória - Beja.  

A preparação do terreno iniciou-se em junho 2015 tendo sido plantadas as primeiras 3.500 arvores (17,5 hectares).



A fotografia acima foi tirada em Novembro 2016 e revela o pomar plantado em Outubro e Novembro de 2015. Actualmente estas arvores medem em média 3 metros tendo algumas atingido os 4 metros.



A fotografia acima foi tirada em Novembro 2016 e revela o pomar plantado em Fevereiro 2016. Actualmente estas arvores medem em média 2,5 metros tendo algumas atingido os 3 metros.





As duas fotografias acima foram tiradas em Novembro 2016 e revelam a plantação de 1000 arvores na primeira semana de Novembro, e serão enxertadas no próximo ano (2017).


quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Revista EVASÕES - 18 a 24 de Setembro 2015


Elas não caem do céu. Diz um velho provérbio chinês, «Deus dá nozes, mas não as quebra». Nada que incomode João Machado Teté. Dos céus, só espera que venha bom clima. Do resto trata ele. Há 37 anos, plantou na herdade Monte da Raposinha, nos arredores de Beja, o seu primeiro pomar de nogueiras. Hoje tem 14 hectares, cinco mil pés e 25 toneladas de produção anual, que não chegam para as encomendas.



O seu telefone toca repetidamente. Ora gente que lhe tenta comprar uma ou outra tonelada de produto – recebem um invariável não, a produção fica vendida de um ano para o seguinte –, outros ue procuram aconselhamento para iniciarem a plantação de pomares. Diz não entender por que motivo o procuram. «Há por aí tantos técnicos e engenheiros, eu só gosto de fazer bricolagem nos nogueirais», brinca. Parte é verdade, contudo: a agricultura não é a sua formação. João Teté é um coronel na reserva apaixonado pelo campo. Foi pela sua mão que o panorama da produção nacional de noz se começou a inverter. Até há poucos anos, Trás-os-Montes, região de onde é natural, era a principal produtora.


Hoje é o Alentejo que vai na frente. As nogueiras requerem terras fundas, ricas e bem drenadas, e o Alentejo tem caraterísticas específicas associadas ao tempo quente. O coronel fez as suas experiências. Estava ainda na vida militar ativa quando se iniciou nas lides agrícolas. Começou por plantar a variedade francesa Franquette, muito apreciada em todo o mundo. Acabou por reconverter o pomar para as variedades americanas Hartley e Serr, com porta-enxertos Regia, Nigra, Hinsii e Paradox. «Garantem uma noz de excelência, de grande qualidade e boa produção.» A variedade perfeita é algo que ainda não encontrou, mas não desiste. Tanto é que parte do seu pomar está transformada num laboratório a céu aberto. Por lá se perde diariamente, e alimenta a esperança de um dos 26 netos lhe seguir as pisadas.


Diz outro ditado – este mais célebre entre nós, mas ainda dentro da temática «deus e nozes» – que Deus dá nozes a quem não tem dentes. Talvez seja verdade, mas não será grave. A casca é particularmente rija, é certo, mas o miolo, embora crocante, não exige grande perícia de mastigação, mesmo aos mais desdentados. Na taberna contemporânea Vovó Joaquina (Rua do Sembrano, 57, Beja; (facebook.com/vovojoaquina), não muito longe da propriedade de João Tété, a noz é parte integrante de um dos pratos mais solicitados,o penne Toscana.

Surge caramelizada, junto com espinafres, cogumelos, queijo e a massa que dá nome ao prato. «Um prato de confeção simples, mas sofisticado e muito apreciado», diz o gerente, José Ribeiro, acrescentando que não são só os vegetarianos que o pedem.


Ricardo Santos, chef formador nas escolas de hotelaria de Coimbra e Óbidos e consultor em diversos restaurantes, diz que, com nozes, a dificuldade é decidir o que fazer. «São muitas as possibilidades», explica. Exemplifica essa versatilidade com uma delícia de noz: começa por transformar o miolo em farinha, a que junta manteiga e ovos; o preparado vai ao forno e está feita a base. Segue-se a cobertura, açúcar em ponto de caramelo, natas e miolo de noz caramelizado. A textura fofa do bolo, em contraste com o crocante da cobertura, desperta a gula à primeira dentada. Não lhe faltam usos no receituário popular, particularmente em matéria de doçaria. Só no capítulo das compotas, a noz alia-se na perfeição com abóbora, curgete, goiaba, marmelo, pera, pêssego. E tudo quanto seja sobremesas com chocolate, banana, café, queijo, requeijão ou doce de ovos tem na noz parelha mais do que perfeita. Na sua forma mais simples, coberta de mel, é um manjar dos deuses. Depois, além das virtudes de sabor, há as qualidades nutricionais que lhe são reconhecidas, nomeadamente a concentração de ácidos gordos essenciais, como o ómega 3. «A noz contribui com boas gorduras para o aumento do bom colesterol e redução de doenças cardiovasculares», explica a nutricionista Paula Beirão Valente, que destaca a
importância das vitaminas do complexo D, do cálcio e do fósforo, elementos que contribuem para a proteção dos neurónios e têm um efeito antioxidante. Contudo, deixa um alerta: «Pese ser benéfica, não deixa de ser uma gordura, pelo que deve ser consumida com moderação.» O que, com as devidas variações consoante o tipo de dieta, significará algo entre uma e nove nozes por dia. Segundo um artigo do norte-americano Andrew F. Smith, escritor/historiador perito em alimentação, a nogueira (Juglans regia) é originária da Ásia Central e alastrou-se, durante o período pré-histórico, à China Ocidental, Cáucaso, Pérsia e Europa. Era cultivada pelos povos neolíticos há sete mil anos. A sua produção na bacia do Mediterrâneo só se alastrou com o domínio romano. Atualmente, entre os maiores produtores mundiais encontram-se China (cerca de 420 mil toneladas/ano), EUA (300 mil), Irão (150 mil), Turquia (130 mil) e Ucrânia (70 mil). Portugal está longe desse top, apenas produzindo 4500 toneladas anuais, correspondentes a apenas 10% do consumo nacional. 


Potencial não falta, contudo. Além da sua propriedade, João Tété gere também uma herdade em Monte do Moncorvo, de proprietários russos, onde se prepara para plantar 140 hectares de nogueiras. Os primeiros 1800 pés já chegaram. Dos viveiros espanhóis, espera receber mais quatro mil a breve trecho. O objetivo é plantar 30 mil árvores e, a prazo, criar o seu próprio viveiro.

O ciclo do fruto termina por esta altura do ano. As nozes estão agora a ser colhidas. Após dois a quatro dias de intensa azáfama – entre descasque, secagem, calibragem e depois a distribuição –, estarão nas bancas de fruta de todo o país. Nota para quem compra: é certo que os olhos também comem, mas saiba-se que as nozes branqueadas, embora mais bonitas, têm uma duração muito limitada, entre dois a três meses. Já aquelas que não levaram qualquer tratamento, e são por isso mais escuras, podem ser consumidas nos onze meses posteriores à colheita. 

É também por estes dias que arranca «oficialmente» a temporada das nozes. O pontapé de saída é dado em Arnelas, lugar do concelho de Vila Nova de Gaia que, nos derradeiros dias de verão – prenúncio para a entrada do outono, com um dos seus frutos mais apetecidos –, celebra a Feira de São Mateus. 

Visitá-la é a oportunidade para comprar as primeiras nozes da campanha, mas também para assistir a um ritual secular. Aqui, vendedores e compradores regateiam preços e estipulam o valor que servirá como indicador para a venda do produto em toda a região norte. Papas de sarrabulho e vinho doce com nozes saciam os convivas.


Outras celebrações em torno do fruto se seguem. A de Gondomar, no âmbito das Festas da Cidade, que duram até 11 de outubro e trazem tasquinhas com pratos ou sobremesas à base de nozes. E a da aldeia de xisto de Casal de São Simão, em Figueiró dos Vinhos, onde vinho novo e água-pé fazem companhia ao fruto da festa. É altura de erguer os copos e brindar à chegada do outono.